O que preciso saber sobre LGPD para meu e-commerce

A Lei Geral de Proteção de Dados, conhecida como LGPD, foi sancionada em 2018 para garantir maior segurança jurídica relacionada ao uso da internet para todo cidadão dentro do território nacional. A criação de uma legislação específica foi necessária para padronizar normas e impulsionar a proteção de dados dos usuários.

Embora a adequação seja indispensável diante da evolução do consumo digital e vulnerabilidade de dados, algumas condutas exigidas pela LGPD podem impactar setores que atuam diretamente na internet, como é o caso dos e-commerces.

Confira neste artigo os principais pontos da Lei Geral de Proteção de Dados e como as lojas online devem se adaptar para não cometer nenhuma infração. Acompanhe!

O que diz a Lei Geral de Proteção de Dados 

Afinal, você sabe o que é a LGPD e o que ela diz a respeito dos e-commerces? 

Resumidamente, essa é a lei mais importante sobre privacidade de dados aprovada no país. Com base no regulamento europeu de proteção de dados, o GDPR, as normas nacionais terão influência direta na operação de lojas online e produtores de conteúdo.

Isso acontece porque o documento envolve regras muito bem definidas sobre coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de dados pessoais dos usuários. Ou seja, a partir do decreto, as empresas que não seguirem o padrão indicado pela LGPD poderão sofrer penalidades severas.

Se antes o seu e-commerce utilizava dados pessoais de leads, visitantes e clientes com algum objetivo comercial – como otimizar anúncios pagos, por exemplo -, agora será necessário ter cuidado redobrado para não infringir nenhuma norma. 

Com a junção da LGPD e e-commerce, os dados coletados só poderão ser utilizados se forem autorizados pelo usuário. Além disso, é necessário que haja clareza ao informar que tais dados serão armazenados por parte do e-commerce.

Principais pontos sobre a LGPD para o seu e-commerce

 

1 – Coletar, armazenar, tratar e compartilhar dados apenas com consentimento

Como já citamos, para garantir que o seu e-commerce esteja dentro das normas, é necessário que todo visitante, lead e cliente autorize que sua loja utilize seus dados.

2 – Seja claro sobre cookies

Ao informar que os dados dos usuários estão sendo armazenados, é necessário explicar com clareza qual será a finalidade da ação. 

Segundo a LGPD, é preciso deixar claro o motivo da coleta para cadastro na loja, coleta para lista de desejos e coletas via formulários em geral. Além disso, o e-commerce deverá esclarecer qual será o tratamento que será dado a essas informações.  

3 – Informe sobre a possibilidade de retirar as autorizações concedidas

Sempre que um usuário conceder a autorização para o uso de seus dados, o e-commerce deverá informá-lo da possibilidade de retirar o aceite a qualquer momento. O usuário também poderá solicitar a verificação de quais dados a empresa possui e quais serão as ações realizadas com eles. 

4 – Informações sensíveis devem ser manipuladas com cuidado

Nenhuma empresa poderá utilizar informações como crenças religiosas, posicionamentos políticos, características físicas, saúde e orientação sexual de maneira discriminatória. Além disso, dados de menores de idade só poderão ser utilizados com a autorização dos responsáveis. 

As penalizações da LGPD

As lojas online que descumprirem as normas da lei de proteção de dados poderão ser penalizadas de acordo com a legislação. Confira quais são as penalizações possíveis previstas no Art. 52º da LGPD:

  • I – advertência, com indicação de prazo para adoção de medidas corretivas;
  • II – multa simples, de até 2% (dois por cento) do faturamento da pessoa jurídica de direito privado, grupo ou conglomerado no Brasil no seu último exercício,
  • excluídos os tributos, limitada, no total, a R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais) por infração;
  • III – multa diária, observado o limite total a que se refere o inciso II;
  • IV – publicização da infração após devidamente apurada e confirmada a sua ocorrência;
  • V – bloqueio dos dados pessoais a que se refere a infração até a sua regularização;
  • VI – eliminação dos dados pessoais a que se refere a infração; suspensão parcial do funcionamento do banco de dados a que se refere a infração pelo período máximo de 6 (seis) meses, prorrogável por igual período, até a regularização da atividade de tratamento pelo controlador;
  • XI – suspensão do exercício da atividade de tratamento dos dados pessoais a que se refere a infração pelo período máximo de 6 (seis) meses, prorrogável por igual período.
  • XII – proibição parcial ou total do exercício de atividades relacionadas a tratamento de dados.

Como adequar seu e-commerce à LGPD

Para manter o seu e-commerce em conformidade com a LGPD, é necessário fazer algumas adaptações em todo mecanismo da loja, desde disponibilizar avisos claros, como alterar por completo a política de segurança. Confira algumas dicas de como adequar seu e-commerce com a lei:

  • Utilize mecanismos de informação e aceite, como caixas de CTA que permitem que o usuário autorize o uso de seus dados
  • Informe com clareza como os dados serão utilizados. Opções como mensagens no rodapé do site são uma alternativa
  • Seja data driven, ou seja, colete apenas os dados essenciais para a operação da sua loja
  • Mantenha sua equipe alinhada com as especificações da lei de proteção de dados e como deverão agir em casos de questionamentos sobre o assunto e eventuais crises
  • Faça um diagnóstico sobre o nível de sensibilidade dos dados que a sua loja armazena. Feito isso, entenda como cada um deles poderão ser utilizados dentro das normas
  • Revise as políticas de segurança e documente tudo que diz respeito a política de privacidade, possíveis incidentes, coleta de dados autorizados, solicitação de exclusão de cadastros, termos de uso, entre outras questões que podem afetar o funcionamento do seu e-commerce perante a legislação.

A LGPD é um importante marco para a proteção e privacidade dos usuários na internet. Para que o seu e-commerce não sofra nenhuma penalidade, é fundamental realizar as adaptações necessárias e ter uma operação online transparente. Dessa forma, dificilmente o seu negócio digital será prejudicado com a nova lei de proteção de dados.

Quer se manter atualizado sobre tecnologia e novidades sobre o mercado? Continue lendo os conteúdos da Diálogo!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Empresa de logística: como contratar a Diálogo em 5 passos

A contratação de uma empresa de logística envolve diversos fatores importantes que impactam diretamente na...

Qual a participação das mulheres na logística? Entenda a importância e os desafios

O setor logístico é tradicionalmente masculino e isso não é novidade. Porém, com o passar...