O futuro já chegou*

Em setembro estivemos na Califórnia. A oportunidade serviu para um benchmarking em San Francisco e no Vale do Silício. Aproveitamos também para participar do Singularity University Global Summit. Nos surpreendemos com a quantidade de brasileiros presentes no evento – correspondente à maior delegação estrangeira do Singularity.

Mesmo a Diálogo Logística não sendo uma empresa de tecnologia, conseguimos compreender melhor a importância de ideias e expressões tão comuns na rotina dessa área. Assim, vimos que é muito importante sair do nosso dia a dia para poder perceber as oportunidades que estão por aí, em todo lugar.

Percebemos também que novas conexões nos permitem novos ensinamentos, nos fazem ver as coisas sob diferentes perspectivas e se tornam momentos transformadores!

 

Um novo olhar sobre a tecnologia e sua aplicabilidade

O Singularity Summit foi uma ocasião que nos proporcionou novas percepções. Lá, criamos o verbo disruptivar, onde a ordem do dia é ser exponencial. Quer ser um bilionário? Então ajude bilhões!

Além disso, outras possibilidades (surpreendentes) foram discutidas por lá. A capacidade de decodificar pixels em partículas cada vez menores, as células sintéticas – desenvolvidas fora do corpo –, o reconhecimento de voz, os veículos autônomos, a realidade aumentada, a Internet das Coisas, sem falar de Big Data e Inteligência Artificial. O que pode ser considerado uma “loucura de outro mundo” para muitos, já é realidade no Vale do Silício.

As (re)evoluções propostas contemplam as mais diferentes áreas. A possibilidade de identificação visual de alimentos em boas ou más condições, por exemplo, é uma solução que está sendo desenvolvida pela Impact Vision. Já o monitoramento da terra através de imagens capturadas instantaneamente do globo terrestre – funcionalidade que será capaz de identificar doenças nas terras ou em plantações e permitirá ainda sua prevenção – é uma evolução proposta pela Hypercubs.

A Memphis Meats está investindo na produção de carne a partir da extração e cultivo de células que se reproduzem fora do animal, permitindo a produção de carne sintética em larga escala.

E o que dizer de Singapura, que se prepara para receber os carros autônomos? Fomos impactados também pelo menino Mihir Garimella, de 17 anos. Ele é inventor e finalista da Feira Global de Ciências e está desenvolvendo um drone com Inteligência Artificial e geolocalização capaz de detectar o cheiro de fumaça e voar sozinho até o ponto focal de um incêndio. E mais: você já pensou em atravessar os Estados Unidos, passando em cidades como Miami, Boston, Chicago, Seattle e San Diego, e demorar menos de cinco horas? Pois a Hyperloop One está desenvolvendo um projeto onde um trem poderá viajar a 1000 km/h.

A junção de Big Data com Inteligência Artificial vai promover a revolução do conhecimento, fazendo com que muitas atividades que exigem esforço repetitivo sejam substituídas por máquinas inteligentes – e pudemos perceber isso claramente em nossa visita por lá.

Como será o futuro?

Pode estar passando pela sua cabeça agora a seguinte questão: e o emprego de tanta gente, que hoje atua nessas frentes? A resposta é que, para sobrevivermos a essa verdadeira revolução tecnológica, temos que aprender a lidar com as transformações e encontrar atividades que nos deem prazer, façam sentido e tenham valor para a sociedade. Mas, para que isso seja possível, é necessário também capacitação.

Especificamente dentro da nossa área de atuação (a logística), encontramos inúmeras analogias e adaptações que podemos e devemos fazer para continuarmos crescendo. Vemos que as principais exigências do consumidor permeiam prazos mais curtos e maior flexibilidade para locais de entrega, por exemplo. Ou seja, pontos diretamente relacionados à conveniência. As empresas, por sua vez, precisam se adaptar à tecnologia e utilizá-la a favor dessa conveniência.

Oportunidades como esta, que tivemos em nosso benchmarking no Vale do Silício, nos mostram a importância de seguirmos atentos às tendências e buscarmos qualificação constante. Dessa forma, continuaremos sendo uma empresa de vanguarda no setor e antenada aos novos acontecimentos. As soluções vistas lá nos levam a refletir sobre como poderemos usar meios autônomos (drones ou carros) e dados de geolocalização a favor do nosso negócio e dos nossos clientes. Com tecnologia de ponta, conseguiremos compreender melhor seus hábitos e preferências e poderemos oferecer uma entrega ainda mais rápida e assertiva ao consumidor final.

*Por Walter Bier e Ricardo Hoerde, sócios da Diálogo Logística.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Vendas on-line impulsionam os negócios em época de crise

Entenda como os recursos digitais conseguiram salvar as vendas Em tempos de crise, os consumidores...

Três dicas para evitar roubo de cargas

Saiba como minimizar riscos de assaltos a centros de distribuição e durante trajeto das entregas...