5 tendências para oferecer a melhor experiência no seu e-commerce

Pela primeira vez na história do comércio, em 2017 o e-commerce deve representar dois dígitos de todas as vendas globais feitas no ano. Esta é a projeção da eMarketer, consultoria que é referência global na área e que prevê que em 2017 o e-commerce representará 10% das vendas no mundo – o equivalente a US$ 2,35 trilhões. Neste cenário de crescimento constante, identificamos 5 tendências em alta que podem ajudar você a garantir a melhor experiência no seu e-commerce.

A exemplo do que acontece a nível global, o e-commerce no Brasil também segue em ascensão. Enquanto no mundo, segundo a eMarketer, as vendas do e-commerce somaram US$ 1,91 trilhão em 2016, com crescimento de 23,7% na comparação com 2015, no Brasil o volume de compras online somou R$ 44,4 bilhões em 2016, crescimento de 7,4% segundo a pesquisa Webshoppers da consultoria especializada e-bit.

Projeções de crescimento até 2020 e 2021

Além dos ótimos números que aparecem no retrovisor, as projeções até 2020 mostram que o e-commerce seguirá crescendo a nível global e no Brasil – ainda que com um vigor um pouco menor do que no passado, algo normal para um tipo de consumo que está consolidado e que não é mais novidade para os consumidores.

De acordo com a eMarketer, em 2017 o e-commerce deverá crescer no mundo 22,9% – pouco abaixo do 23,7% registrado em 2016. Os crescimentos para os demais anos são de 21,6% (em 2018), 19,5% (2019) e 18,7% (2020). Caso estas projeções forem confirmadas, o e-commerce representará, em 2020, 14,6% de todas as vendas globais.

Diferente da tendência global apontada pela eMarketer, a consultoria eBit prevê um crescimento maior do e-commerce para 2017 do que o que foi registrado em 2016: 12% de aumento no faturamento. O crescimento do tíquete médio para 2017 está previsto em 8% – mesmo número de 2016 – e o volume de vendas projetado é 4% superior (em 2016 este volume ficou estabilizado).

Um estudo da consultoria Forrester encomendado pelo Google projeta que o e-commerce no Brasil chegará ao faturamento de R$ 84,7 bilhões em 2021. Para chegar a este número, além dos consumidores habituados com este tipo de compra seguirem optando pelo e-commerce, outros 27 milhões de pessoas que moram no país vão aderir às compras online.

Os números mostram que é cada vez mais importante investir em soluções para que você consiga oferecer a melhor experiência no seu e-commerce para os seus públicos. Confira, abaixo, algumas tendências para 2017 e para os próximos anos a nível global e no Brasil.

Tendências a nível global

As economias mais maduras, inclusive na difusão das compras pela internet, costumam experimentar primeiro algumas tendências do mercado. Isso acontece, basicamente, por duas razões: uma demanda mais especializada de soluções feitas pelos consumidores e uma melhor infraestrutura que permite inovações logísticas, por exemplo.

Ainda que parte destas tendências precisa de investimento em infraestrutura ou avanços na regulamentação para acontecer no Brasil, é importante estar atento a elas. Entre as tendências do e-commerce global para os próximos anos está o uso cada vez maior de drones para a entrega de produtos leves. O serviço Amazon Prime Air começou a ser testado na Inglaterra e tem possibilidades de ser logo expandido para outros mercados.

Outra inovação criada pela Amazon são os “Dash Buttons”, os botões inteligentes que facilitam as compras dos produtos preferidos e frequentes de cada cliente. A ideia é que o consumidor tenha um “Dash Button” de suas marcas preferidas, programe os cliques para determinados produtos e adquira eles com o simples pulsar do botão. De acordo com uma reportagem da Huffington Post, em breve outros grandes varejistas do e-commerce americano devem adotar esta inovação.

Em países com um sistema de infraestrutura e logística maduro, como os Estados Unidos, percebe-se também uma tendência crescente de entregas de produtos no mesmo dia em que eles são comprados – ou, no máximo, no dia seguinte. Uma pesquisa da consultoria Forrester mostrou que a maioria dos consumidores americanos topa pagar um pouco mais caro para ter o produto em casa ou em sua empresa no mesmo dia.

5 tendências para melhorar a experiência no seu e-commerce no Brasil

No Brasil algumas tendências do e-commerce global, como a entrega de produtos leves por drones, pode demorar um pouco mais para aparecer. Mas algumas práticas que dependem de desenvolvimento próprio das empresas pode ser aplicada por aqui mais rápido – e servir como um importante diferencial de mercado.

Levando em conta a realidade do país, especialmente em termos de infraestrutura logística, selecionamos algumas tendências do e-commerce que tem mais o perfil do público e do contexto brasileiro. Estas 5 tendências podem servir de guia para você investir no seu negócio para melhorar a experiência no seu e-commerce:

  1. Compra com um clique:

    Nos Estados Unidos esta opção de compra já responde por quase metade das aquisições feitas no e-commerce. A vantagem deste sistema é que ele não apenas economiza tempo do consumidor e consequentemente melhora a experiência dele no processo de compra como também fornece informações valiosas para o varejista sobre o perfil de consumo do cliente.

  1. Maior variedade de pagamentos:

    Ainda que a maioria das compras online feitas no país ainda utilizem os cartões de crédito ou de débito, há uma tendência crescente a nível global – e aqui não será diferente – da adoção dos e-wallets (carteiras eletrônicas). Entre os serviços que têm registrado crescimento expressivo fora do Brasil estão o PayPal, o Apple Pay, o Samsung Pay, o Google Wallet e o Stripe. Oferecer mais opções de pagamento no site, especialmente de serviços como estes, é cada vez mais importante.

  1. Atenção especial para os smartphones:

    Mais de metade da navegação feita pela internet é realizada através de smartphones ou outros dispositivos móveis – os tablets estão na lista, mas muito atrás. A nível global, a Internet Retailer estima que em 2017 as vendas online através de smartphones já vão representar 30% do total do e-commerce. A Ebit projeta algo parecido para o Brasil: 32% de todas as vendas online até dezembro deverão ser feitas por smartphones. Por isso mesmo é vital que o seu site seja mais do que responsivo (adaptado para smartphones). O ideal é que ele seja pensado para garantir a melhor experiência de compra para o seu cliente em dispositivos móveis.

  1. Investir em comércio social:

    Outra tendência global e que começa a ganhar relevância no Brasil é a venda através das redes sociais. Este tipo de negócio saiu do patamar de US$ 5 bilhões em 2011 para chegar a US$ 30 bilhões em 2015 – os Estados Unidos responde por quase metade disso, US$ 14 bilhões. Os anúncios em mobile são a principal mola deste crescimento. Por isso é importante você não ignorar este mercado que permite uma grande segmentação por público e que pode gerar ótimos negócios.

  1. Maior interação com o consumidor:

    Em 2016 grandes empresas do mercado, como Apple, Facebook, Amazon e Microsoft, investiram pesado em chatbots – programas que simulam o atendimento personalizado para o cliente. Utilizando inteligência artificial e com base nas principais demandas dos clientes, assim como na identificação de palavras-chave, os chatbots ajudam a melhorar a experiência de compra do consumidor. De acordo com um artigo da WebProNews, os chatbots estão assumindo, lentamente, o atendimento ao cliente e o suporte técnico das marcas que citamos e, em 2017, devem ser adotados plenamente pelo e-commerce. Essa projeção foi feita, claro, para os Estados Unidos, mas não vai demorar para ela se massificar no Brasil também. Entre as possibilidades que os chatbots oferecem para melhorar a experiência na compra está a automatização nas respostas de reclamações, no acompanhamento de pedidos e no envolvimento em tempo real com o consumidor.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Vendas on-line impulsionam os negócios em época de crise

Entenda como os recursos digitais conseguiram salvar as vendas Em tempos de crise, os consumidores...

Três dicas para evitar roubo de cargas

Saiba como minimizar riscos de assaltos a centros de distribuição e durante trajeto das entregas...